Princesinha do PIX: bonitinha, mas ordinária…

Amante do ex-diretor da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) Jéssica Pinheiro de Lima, carrega no curriculum a experiência de lidar com chefes de família para se manter na vida de alto padrão, recebendo agrados financeiros e mimos em troca do amor.

 

Por Mino Pedrosa

 

A mulher que entregou na bandeja a cabeça do ex-diretor da Policia Civil do Distrito Federal (PCDF) Robson Cândido tem um passado com experiências em relacionamentos amorosos que resultaram em Maria da Penha e esquemas de corrupção e golpes pela internet.

Jéssica Pinheiro denunciou o então diretor Robson Cândido que está sendo acusado por vários crimes entre eles o de stalking. O que o Núcleo de Investigação e Controle Externo da Atividade Policial (Ncap) do Ministério Publico do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), não sabia até agora, é que Jessica Pinheiro tem experiência em relacionamentos com homens casados e se mantém financeiramente com ajuda de figurões, diga-se de passagem, até de reconhecimento nacional.

Cidade Natal de Jéssica Pinheiro Varginha/MG

A moçoila é da cidade de Varginha (MG) e deixou rastros nada republicanos, mantinha um relacionamento com um jovem conhecido na cidade por Rafael e juntos aplicavam golpes pela internet chegando até ao conhecimento da Justiça, diante da situação, Jessica denunciou Rafael, que jurava amor e fazia viagens bancada por um esquema corrupto. Para se livrar do amor criminoso, fez uma denuncia baseada na lei Maria da Penha. Em seguida se envolveu com o Delegado Regional de Varginha que lhe proporcionava presentes, viagens em hotel de luxo e abastecia seus mimos em dinheiro vivo, o delegado que ocupava a cadeira de comando do Detran regional foi denunciado pela prática de corrupção passiva, lavagem de dinheiro, falsidade ideológica, chegando a pegar uma condenação de dezessete anos, nove meses e dois dias de reclusão em regime inicial fechado, isso tudo aconteceu entre os anos de 2022/21.

O delegado Wellington Clair de Castro era casado, pai de família, mas mesmo assim a moçoila não o abandonou chegando até visita-lo no cárcere, se passando por advogada. O Ministério Público de Minas Gerais disse que a sentença de condenação de Wellington o fez perder o cargo de delegado de polícia, pagamentos de multas, reparação por danos morais coletivos no valor aproximados de R$ 860 mil reais. De acordo com os bastidores em Varginha, a moçoila Jéssica recebeu como mimo do delegado, uma carteira de habilitação sem ao menos prestar o exame, outro presente foi o estágio de um ano de escrivã onde adquiriu, uma vasta experiência em coleta de depoimentos na área criminal, o delegado que respondia pelos crimes de corrupção, mesmo afastado do cargo de delegado, tentou a reeleição como vereador em São Gonçalo do Sapucaí (MG).

 

Delegado Wellington Clair de Castro, ex- amante de Jéssica preso na operação “Ilusionista”

A moçoila também se relacionou com mais dois homens, pais de famílias e casados, com Rafael, os golpes aplicados na internet, proporcionava a ela, presentes caros, motos de grande porte, viagens em hotéis de luxo, e roupas que se destacava entre as amigas.

Figurinha carimbada em Varginha, Jéssica veio tentar a vida em Brasília. Com experiência de se virar sozinha, conseguiu se relacionar com pessoas do alto escalão do GDF, Instituições Privadas e até figurões do Congresso Nacional. A reportagem vai preservar o nome de um dos figurões de renome nacional em nome da família.

Por intermédio de advogados do Conselho da Ordem de Minas Gerais, aconteceu um encontro com o um figurão na manhã do dia 03 de Janeiro. Ele mandou buscar, usando um motorista de confiança com o carro da instituição e a levou para um hotel cinco estrelas, próximo ao Palácio do Alvorada, ali o figurão chegou mais tarde, trazendo em mãos presentes com uma caixinha de som, dois perfumes.

Cotado como o melhor hotel pelo no high society de Brasília, ficaram numa suíte de luxo e aproveitaram um almoço degustando um bom vinho. Mais cedo, Jéssica registrou em seu story a passagem pelo luxuoso hotel, mas preservou o figurão. O bom amigo ajudou a moçoila com R$1.500 reais em dinheiro, os presentes não param por aí, alguns PIX chegaram na conta bancária de Jéssica.

Golden Tulip Brasília Alvorada

Mas não foi só de encontros que se narra essa rocambolesca história, alguns desencontros também aconteceram, a exemplo, o do hotel cinco estrelas em frente ao Brasília Shopping no centro da Capital. Jéssica foi levada para o hotel, passou a noite à espera do figurão que estava com agenda carregada, e não conseguiu chegar em Brasília para desfrutar de momentos amorosos, mas os PIX continuaram.

Esta semana por duas vezes o Ncap, pediu a prisão de Robson Cândido baseado no descumprimento de medidas protetivas. O ex-diretor está com uma tornozeleira eletrônica que o obriga a manter uma distancia de 3km de Jessica. Robson procurou uma loja para comprar peças para conserto de seu carro na cidade satélite de Taguatinga, mas ao se aproximar do raio de 3km imposto pela justiça, o sinal na central disparou e Robson fez contato para explicar o seu destino. O Ncap então entendeu que havia um descumprimento e pediu o retorno de Robson para cadeia, o juiz de plantão, no recesso de fim de ano, não concedeu o pedido do Ncap. O Núcleo de Controle Externo, está com uma lupa na tornozeleira do Robson Cândido.

A moçoila Jessica está sob os cuidados dos delegados Laércio de Carvalho e Fernando Fernandes, considerados os algozes do ex-diretor.

Com todo esse imbróglio, Jéssica continua no seu emprego no Metrô-DF e fazendo contatos com novos figurões e antigos, que sempre à acolheram.

Tags

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram