Ex-servidor do Banco do Brasil é investigado por corrupção

Ex-gerente teria recebido uma quantia milionária com o intuito de contratar e credenciar empresas para intermediar operações de Cédula de Crédito Rural (CPR)

Nesta quarta-feira (26), a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) deflagrou a Operação Coban através da Delegacia de Repressão à Corrupção, vinculada ao Departamento de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado (DRCor/Decor). O foco da investigação é um ex-servidor do Banco do Brasil (BB), suspeito de receber vantagens financeiras indevidas para favorecer empresas.

As diligências tiveram início após o Banco do Brasil alertar as autoridades sobre possíveis crimes como falsificação de documentos, uso de documentos falsos e violação de sigilo funcional cometidos pelo ex-servidor em cargo gerencial. As condutas do funcionário resultaram em um Processo Administrativo Disciplinar que culminou na demissão do investigado.

Durante as investigações, surgiram indícios de que o ex-servidor teria recebido uma quantia milionária para contratar e credenciar empresas para intermediar operações de Cédula de Crédito Rural (CPR), além de beneficiar correspondentes bancários já credenciados. A PCDF apurou que os recursos eram direcionados através de uma empresa que aparentemente não exercia atividades legítimas.

Mandados de busca e apreensão estão sendo executados no Distrito Federal, Unaí (MG) e Alto Araguaia (MT), abrangendo as sedes das empresas, residências dos sócios e do ex-servidor investigado. A operação busca consolidar os elementos probatórios para a conclusão do inquérito em curso, visando reunir evidências adicionais que fortaleçam os indícios já obtidos e direcionem as investigações para possíveis envolvimentos de outras pessoas e práticas similares.

A PCDF enfatizou que o ex-servidor é investigado por crimes como corrupção passiva, lavagem de dinheiro, falsificação de documento particular, uso de documento falso e violação de sigilo funcional, crimes que, se condenado, podem resultar em penas que ultrapassam 30 anos de prisão.

Tags

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram